14 de março de 2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO NORTE PROMOVE DEGUSTAÇÃO DE CARNE DE JUMENTO

Filé ao molho madeira, filé ao molho branco, escondidinho de carne e churrasco. Esses foram os pratos servidos aos convidados para um almoço de degustação de carne de jumento promovido pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte no município de Apodi, região Oeste do estado, nesta quinta-feira (13). Os animais que foram abatidos e servidos no almoço foram apreendidos nas rodovias que cortam o RN. A ideia foi do promotor da comarca de Apodi, Sílvio Brito. Ele explicou que destinar a carne de jumento para consumo humano pode ser a forma de tirar esses animais das rodovias.
“O jumento era um objeto de trabalho, mas tornou-se obsoleto com o uso de motos e tratores. É incalculável o número de animais abandonados por causa desse desinteresse e esses animais estão soltos nas rodovias causando acidentes”, afirmou o promotor de Justiça Sílvio Brito, que defende a ideia de que os jumentos apreendidos nas estradas do RN sejam abatidos e incluídos no cardápio da alimentação de detentos do sistema penitenciário do estado. Segundo a PRF, de 2012 até o dia 10 de março deste ano foram apreendidos 3.354 animais nas estradas que cortam o RN - a maioria era jumentos.
A degustação foi sugerida pelo promotor de Justiça Sílvio Brito. Os convidados para o almoço aprovaram o cardápio. “É muito saborosa. É um pouquinho mais dura que a carne de vaca, mas é gostosa. Vou colocar no cardápio de casa”, disse o professor Pedro Filho, de 44 anos. Ao todo, foram servidos cerca de 100 quilos de carne de jumento aos convidados.
Todos os pratos servidos foram preparados pelo empresário Humberto Gurgel Pinto, dono do restaurante onde foi servido o banquete. “O preparo da carne de jumento é praticamente igual ao da carne bovina. São muito parecidas. Não encontrei dificuldade alguma. E mais importante: o pessoal aqui gostou muito, superando nossas expectativas”, disse.
O secretário estadual de Agricultura, Tarcísio Dantas, esteve na degustação, provou a carne de jumento e também gostou. “O sabor é agradável, a carne é macia, muito boa”, disse. Dantas afirmou que a Secretaria não vê nenhum problema no consumo da carne de jumento e colocou a secretaria à disposição para encontrar alternativas em relação ao confinamento e abate dos bichos.
De acordo com o promotor Sílvio Brito, os animais servido na degustação foram vermifugados, se alimentaram exclusivamente de ração há pelo menos 4 meses, e eram monitorados por veterinários. “É uma carne segura. Nós não estamos apreendendo o animal e levando para a panela, há uma preocupação com os cumprimentos das normas dos Ministérios da Saúde e da Agricultura”, assegurou.
Os 100 quilos de carne servidos são provenientes de dois jumentos abatidos na quarta-feira (12) no matadouro público de Apodi. De acordo com o presidente da Associação dos Protetores dos Animais (APA), Eribaldo Nobre, de 49 anos, os animais estavam em uma fazenda na cidade vizinha de Felipe Guerra. Os cortes usados no almoço foram picanha, maminha e colchão mole. Segundo o empresário que elaborou os pratos, os nomes dos cortes de carne de jumento são os mesmos da carne bovina.
O almoço foi servido para 120 convidados na parte superior da churrascaria Apodi, mas, segundo o promotor, mais de 300 pessoas comeram a carne. “A carne foi oferecida de graça na parte inferior da churrascaria para quem quisesse. Mais de 300 pessoas comeram a carne de jumento e nós ficamos impressionados com a receptividade”, disse Silvio Brito.
Mesmo assim, nem todos em Apodi tiveram coragem de provar os pratos. Algumas pessoas também reprovaram o abate.
O uso da carne de jumento para consumo humano não é consenso. Representantes da ONG Defesa da Natureza e dos Animais (DNA) alegam que se os jumentos forem consumidos poderão entrar em extinção. “Não é economicamente viável, os jumentos podem entrar em extinção, e essa carne que foi servida não passou pelo tratamento necessário”, disse a veterinária Kátia Lopes, da ONG DNA.
O ambientalista Kleber Jacinto defende que é preciso ação do poder público para solucionar o problema do alto número de jumentos nas rodovias que acabam causando acidentes, mas que o abate e consumo humano não é a melhor alternativa. “Se fizermos um comparativo é a mesma coisa de sair matando os cachorros que moram nas ruas para acabar com um problema. Não é dessa forma que se resolve o problema. Além disso, ninguém sabe como esses animais foram abatidos, se foram cuidados, tratados, se tinham alguma doença. Não foi um processo transparente”, disse.
O promotor, por sua vez, garante que foram seguias as exigências do Ministério da Saúde. “Os jumentos passaram por tratamento, estavam confinados na Associação de Proteção dos Animais com acompanhamento veterinário, não há riscos”, afirmou o Promotor Sílvio Brito.
g1.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita!
Fique a vontade e volte quando quiser.
Deixe seu comentário no quadro abaixo.
Bjussss Rosélia Santos.

A partir de segunda feira começarei a fazer Resenhas dos produtos que serão postos a venda para vocês!! Aguardem.