28 de junho de 2011

REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS DE MEDICINA

Médicos formados fora do Brasil podem se inscrever, a partir desta segunda-feira (27), no Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Revalida.
As inscrições vão até o dia 10 de julho. As provas serão aplicadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).
Os candidatos terão de passar pela prova escrita (eliminatória) e prática. A primeira, com questões de múltipla escolha e discursivas, está marcada para o dia 28 de agosto e será aplicada em Manaus, Fortaleza, Porto Alegre, Campo Grande, Brasília e no Rio de Janeiro. O exame prático ocorrerá nos dias 1º e 2 de outubro, somente em Brasília.
A taxa de inscrição para a primeira fase é R$ 100, e para a segunda, R$ 300. Para se inscrever no Revalida, o candidato deve ser brasileiro ou estrangeiro em situação legal no Brasil e ter diploma expedido por instituição de ensino superior reconhecida pelas autoridades de educação do país de origem. Na hora da inscrição pela internet, é preciso enviar imagem (frente e verso) do diploma. O interessado irá escolher uma das 37 universidades públicas que participam do programa para emitir o diploma e selecionar o local onde pretende fazer a prova escrita.
É a segunda vez que o Ministério da Educação aplica o exame nacional, ainda em implantação no país. O ministério alega que o modelo unificado poupa tempo e reduz os custos para os candidatos, além de ser mais rápido. A expectativa é que os resultados saiam até dezembro. Na edição anterior, 628 pessoas se inscreveram, 281 fizeram as provas e apenas duas candidatas foram aprovadas. Para este ano, o ministério espera a inscrição de 800 médicos.
Várias universidades ainda mantêm o processo tradicional, em que cada uma tem seu próprio procedimento e valores para a revalidação de diplomas médicos.
O endereço para inscrição é o http://revalida.inep.gov.br.

23 de junho de 2011

GUARDAR MÁGOAS: VENENO PARA SAÚDE

Quando alguém nos desaponta, nos fere, quando perdemos algo importante ou sofremos alguma injustiça, a raiva e a indignação são sentimentos normais, mas o problema é quando esses sentimentos se transformam em mágoa e amargura. No livro “O poder do perdão”, o psiquiatra americano Fred Luskin, apresenta a sua experiência e estudos sobre esse tema. Ele demonstra que o processo de perdoar pode ser treinado e desenvolvido. Ele utiliza a metáfora de um aeroporto, que está com o tráfego aéreo congestionado, para explicar como fica a mente de uma pessoa, sobrecarregada pelas mágoas. Cada avião que está no ar é comparado a uma mágoa, que enquanto não pousa, fica exigindo energia e exaurindo os seus recursos. 
Quando guardamos uma mágoa e pensamos na dor que sofremos, o cérebro reage como se estivéssemos em perigo naquele momento. Ele produz substâncias químicas ligadas ao estresse, que limitam as nossas ações. A parte pensante do cérebro fica limitada, é quando agimos sem pensar para nos livrarmos da sensação de perigo.
Portanto, a mágoa consome muita energia, pois cada vez que contamos o que aconteceu, os mesmos sentimentos são desencadeados. O cérebro não sabe distinguir se aquela traição ou agressão aconteceu agora ou há três anos.
Assim como escolhemos o canal de TV que queremos assistir, também podemos aprender a escolher qual o “canal” que estará passando na nossa mente. Podemos escolher pensar no quanto fomos vítimas, o quanto fomos machucados, e com isso perpetuar o nosso sofrimento ou podemos escolher pensar no quanto fomos fortes para sobreviver ao que aconteceu e mudar o nosso foco. Não significa que devamos passar por cima da tristeza, da dor e da raiva que sentimos, mas precisamos aprender que existe um tempo para esses sentimentos.  
Uma forma de mudarmos o “canal” da nossa mente é pensar em como podemos mudar a história da nossa dor. Qual a história que contamos para nós mesmos sobre o que nos aconteceu?
Relembrar o fato, falar disso inúmeras vezes, ficar no lugar de “vítimas” dentro da história que contamos, nos dá a sensação de que o sofrimento que passamos não será esquecido e que se e abandonarmos esse lugar, quem nos fez sofrer ficará liberado de pagar pelo que fez. Mas, conservar a mágoa, nos mantém ligados de forma ineficaz à pessoa que nos fez sofrer.
O outro provavelmente não está sofrendo, nem mais e nem menos, só porque mantemos a mágoa dentro de nós. 
Cada vez que contamos a história da nossa dor, ressaltando o quanto fomos vitimas daquela pessoa e enfatizando o quanto ela foi cruel conosco, continuamos dando poder a ela. Ficamos presos num papel que não deveria ser mais o nosso. Precisamos ultrapassar esse momento, precisamos nos curar.
Que tal parar um pouco e reformular a história da nossa dor? Sem forçar acontecimentos ou inocentar ninguém, mas colocando um foco nas nossas atitudes, no que fizemos e podemos fazer de construtivo diante do que aconteceu. Perdoar evita o estresse e economiza nossas energias.

Especialidade: Psicologia
http://msn.minhavida.com.br

22 de junho de 2011

DIET, LIGHT OU ZERO

Muito se fala em produtos light, diet e zero. Você sabe realmente qual a diferença entre estes produtos? Chegou a hora de entender melhor o assunto.
Muitas pessoas não sabem e acabam se confundindo a função de tais produtos. isso é muito comum. São tantas as opções oferecidas pelo mercado, que fica difícil saber qual é o ideal para cada caso. Talvez você não saiba, mas alguns alimentos light ou diet também podem conter tantas calorias quantos os considerados normais.

Itens light: são os que sofrem uma redução de 25% em algum componente se comparado com o tradicional. Podem ser nas calorias, açúcares, gorduras, sódio ou qualquer outro nutrientes. Alimentos light, quer dizer ‘leve’ e são indicados para quem está querendo reduzir as calorias. Contudo, os alimentos light causam uma certa confusão às pessoas,  adoçantes denominados ‘light’ por exemplo, podem colocar em risco a saúde de pessoas diabéticas, pois podem conter açúcares em sua composição embora reduzidas em quantidade.

Produtos diet: são aquele no qual não há alguns nutrientes como açúcares, gorduras, sódio, proteínas, ou algum outro ingrediente. Uma alimento diet não significa necessariamente que tenha menos calorias. Na realidade, produtos diet são aqueles nos quais há a eliminação de um ou mais ingredientes da fórmula original. Os chocolates diet, por exemplo, que, apesar de serem restritos de açúcar, têm praticamente a mesma quantidade de calorias do chocolate normal uma vez que possuem mais gorduras.
Os alimentos diet são indicados para pessoas que tenham restrição de consumo de algum ingrediente, como os diabéticos que não podem ingerir açúcar, e os hipertensos que não devem consumir muito sal.

Produtos zero: não possuem muita diferença quando comparados aos produtos diet, existindo neles também a isenção de alguma substância presente no alimento tradicional. A única mudança é que os alimentos zero geralmente possuem menos quilocalorias que os produtos originais. Vale lembrar que os alimentos zero são os que contêm 0% de algum item em relação ao tradicional, porém, na maioria a quantidade de sódio é bem maior.

VEJA A FOTO


Espero ter contribuido para tirar algumas dúvidas. Até a próxima!!

BABESIOSE - VOCÊ SABE DO QUE SE TRATA??

Trata-se de uma devastadora infecção causada por picadas de carrapato, que vem se espalhando na parte baixa do Vale do Hudson, em Nova York, e em regiões litorâneas do nordeste americano, constataram pesquisadores do governo.
É uma doença como a malária, resultante da infecção do 'Babesia microti’, parasita que se aloja nas hemácias, ou glóbulos vermelhos, carregado por carrapatos de animais silvestres e domésticos. Embora bem menos comum do que a doença de Lyme, a babesiose pode ser fatal, especialmente em pessoas que têm o sistema imunológico comprometido de alguma forma.
Como não existe nenhum teste amplamente investigativo para a babesiose, sua contaminação faz surtir uma ameaça específica ao fornecimento sanguíneo, afirmam os cientistas.
Segundo um recente relatório dos Centros de Controle de Prevenção de Doenças (CDC, em inglês), ocorreram seis casos de babesiose na parte baixa do Vale do Hudson em 2001 e 119 casos em 2008. Em áreas onde a doença de Lyme é endêmica, como a litorânea Rhode Island, Massachusetts, Connecticut e Long Island, a babesiose vem se tornando muito comum.
Em um estudo com moradores de Block Island, R.I., se descobriu que a babesiose era apenas 25 por cento menos comum do que a doença de Lyme.
Diversas pessoas infectadas pelo parasita não apresentam sintomas, enquanto outras apresentam sintomas leves a moderados de algo como a gripe, que pode durar alguns dias ou até seis meses
algumas pessoas ficam tão doentes que acabam sendo hospitalizadas, levadas para a UTI ou acabam morrendo”, explica o dr. Gary Wormser, chefe de doenças infecciosas do Westchester Medical Center em Nova York.
Em estados que fazem o acompanhamento da doença, há uma média de mil casos reportados por ano, diz Krause, mas tanto ele como outros especialistas acreditam que esse número representa uma fração das pessoas infectadas. No estudo de, os pesquisadores testaram aproximadamente 70 por cento dos moradores e descobriram que quase um quarto dos adultos e metade das crianças que haviam sido infectadas não apresentaram sintomas e, portanto, não tiveram as ocorrências reportadas. Mesmo as pessoas que apresentam sintomas leves a moderados podem nunca procurar um médico. E, se o fizerem, poderão não ser diagnosticadas com precisão.
Os especialistas receiam que muitos dos pacientes não diagnosticados possam estar doando sangue. Atualmente, os bancos de sangue não verifica o 'Babesia’, pois a FDA ainda não licenciou um teste para essa finalidade. A única forma de examinar um paciente é usando um questionário, que apenas pede que os doadores respondam se estão infectados.
A babesiose já é a infecção reportada com maior frequência transmitida por transfusão nos Estados Unidos, responsável por, pelo menos, 12 mortes.
A infecção por esta via pode ser séria: Um estudo aponta que aproximadamente 30 por cento das pessoas que foram infectadas por uma transfusão morreram.
Os especialistas recomendam com certa insistência que pacientes de transfusão sanguínea e seus médicos estejam atentos aos sintomas da babesiose, que podem aparecer até depois de nove semanas do procedimento
Os sintomas podem ser vagos não existem relatos como os da doença de Lyme e incluem febre, transpiração, calafrios, dores de cabeça, cansaço e dores musculares. Em pessoas que também têm a doença de Lyme, os médicos poderão ter suspeitas de babesiose caso os sintomas sejam particularmente rigorosos ou os antibióticos não estiverem fazendo efeito. O diagnóstico pode ser confirmado por exame de sangue.
Crianças e adultos com mais de 50 anos são mais propensos a contrair sintomas de moderados a rigorosos, se infectados. Entre as pessoas que apresentam maior risco de complicação estão os pacientes com sistema imunológico comprometido (como as que recebem imunossupressores), os que removeram o baço e os que apresentam linfoma ou HIV ou que estejam em tratamento contra câncer.
Se não for descoberta e tratada logo, a babesiose pode levar a complicações como falência dos rins, pulmões ou coração. A infecção pode ser tratada com medicamentos antimicróbicos, mas as pessoas com sérias complicações reagem menos ao efeito das drogas.
Por que o parasita vem se alastrando e por que isso vem acontecendo com menor intensidade do que a doença de Lyme ainda não se sabe. Uma das teorias é que o 'Babesia’ pode ser originalmente transportado por ratos, que não tendem a viajar para tão longe. A bactéria causadora da doença de Lyme, 'Borrelia burgdorferi’, pode ser transportada por pássaros

http://nytsyn.br.msn.com/

20 de junho de 2011

CAMISINHA MILAGROSA

Uma empresa médica britânica teve sua camisinha que promete estimular a ereção recomendada para receber aprovação europeia.
A Futura Medical disse que sua camisinha CSD500, licenciada para venda pela empresa farmacêutica Reckitt Benckiser, sob a marca Durex, possui em sua ponta um gel que dilata as artérias e aumenta o fluxo de sangue para o pênis, resultando em uma ereção maior e mais firme.
A Futura disse na segunda-feira que, depois da recomendação, os produtos geralmente levam cerca de um mês para receber a certificação de marca CE. Com esta certificação, a camisinha poderá ser vendida em 29 territórios da Europa e vários países não europeus.
Em seu site na Internet, a Futura disse que a CSD500 será uma camisinha usada por homens saudáveis para ajudá-los a manter uma ereção mais firme durante relações sexuais em que usam camisinha.
Em um estudo duplo cego copatrocinado pela Futura e que comparou a CSD500 com camisinhas do tipo padrão, dos participantes que expressaram uma preferência, uma parcela importante de homens e mulheres relataram melhoras na firmeza da ereção do homem nas relações sexuais em que foi usada a CSD500.
Além disso, entre os participantes que expressaram uma preferência, uma parcela significativa de homens e mulheres achou que a CSD500 aumenta o tamanho do pênis, e uma parcela importante das mulheres relatou uma experiência sexual de duração mais longa.


G1.com

 

ATITUDES QUE AJUDAM NA PREVENÇÃO DO CÂNCER

O ICESP - Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, ligado à Secretaria de Estado da Saúde e à Faculdade de Medicina da USP, elaborou uma lista de atitudes fundamentais para prevenção do surgimento do câncer.
 
1. Não fume. Mesmo uma pequena quantidade de tabaco pode fazer um grande estrago.
 
2. Não abuse de bebidas alcoólicas, principalmente se estiver violando a regra número um.

3. Mantenha hábitos de sexo seguro. Use camisinha. O contato com alguns vírus transmitidos por via sexual, como o papiloma vírus humano e o HIV podem desencadear no surgimento de alguns tipos de câncer.
 
4. O sexo seguro é caminho, ainda, para evitar os vírus da hepatite B (para a qual há vacina) e da hepatite C, ambos com potencial para levar ao câncer de fígado.

5. Evite o consumo excessivo de açúcares, de gorduras, de carne vermelha, de porco e das processadas. Invista em uma dieta saudável, rica em verduras, legumes e frutas.

6. Na mesma linha da dieta saudável, vale reforçar a importância de evitar o consumo de alimentos com muito sódio e conservantes, como é o caso dos enlatados, embutidos e fast foods em geral.
 
7. Cuidado com o sol. Use filtro solar diariamente e evite a exposição entre 10h e 16h. Na praia ou na piscina, lance mão, também, de barreiras físicas, como chapéu, camiseta e guarda-sol.

8. Pratique atividades físicas todos os dias. Recomendação de que o exercício tenha duração mínima de 30 minutos.
 
9. Mantenha-se atento à sua saúde. Procure assistência especializada caso note qualquer anormalidade em seu corpo.
 
10. Faça um check-up anual e realize todos os exames de diagnóstico precoce (screening) indicados pelo seu médico. Esta também é uma atitude fundamental.

IMUNIDADE TURBINADA

Hidrate-se: é importante ingerir líquidos constantemente, mesmo antes de sentir sede. A ingestão de água melhora a resistência física e retira as impurezas do organismo, prevenindo doenças. o ideal é ingerir diariamente por volta de 35ml de água por quilo de peso. Uma pessoa de 70kg, por exemplo, deveria ingerir 2450ml de água. É importante salientar que boa parte dessa água já está presente nos alimentos que comemos. Ao fazer exercícios físicos, reidrate-se ainda mais, se possível com água de coco ou isotônicos, mas sem exagerar e nunca deixar a água de lado.

Alimente-se de forma saudável: manter uma dieta que inclui todos os grupos alimentares é fundamental para fortalecer a imunidade. Proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e sais minerais não podem faltar na dieta diária. De acordo com pesquisas, os micronutrientes essenciais para o fortalecimento da imunidade são as vitaminas A, B6, B12, C, D, E, ácido fólico, zinco, ferro, selênio e cobre. Eles restauram a proteção contra infecções, fortalecem as células do sistema imunológico e aumentam a produção de anticorpos.

Fique longe dos vícios: evitar vícios, como álcool e tabaco, aumenta e muito a imunidade. “Esses vícios são extremamente danosos, não só para o nosso sistema imunológico, como para vários outros sistemas de nosso corpo”.
Já existem estudos que comprovam que algumas bebidas podem, inclusive, fazer bem à saúde, mas desde que ingeridas com moderação. O vinho é o principal exemplo.

Esteja sempre de bem com você: de acordo com os especialistas, a saúde mental está muito relacionada à imunidade. A baixa autoestima faz com que seu sistema imunológico trabalhe menos, além de atrapalhar nosso corpo no combate aos radicais livres, facilitando o aparecimento de doenças.

Mexa-se! Você sabia que um estilo de vida sedentário está associado a 28% das mortes por doenças crônicas, perdendo apenas para o tabagismo? Por isso, mexa-se e passe longe de doenças. Especialistas recomendam a prática de uma atividade física rotineira e que dê prazer, sempre tomando cuidado com os excessos. Se o tempo é curto, inclua o exercício físico na sua rotina, como utilizar escada em vez de elevador ou caminhar depois do almoço.

Corra do estresse: viver com tensões relacionadas ao trabalho e outras obrigações do dia é um dos fatores decisivos para a baixa da imunidade. Assim como a baixa autoestima, o estresse impede o sistema imunológico de funcionar a todo vapor, abrindo portas para doenças. Quando você está estressado, o ideal é praticar alguma atividade que goste e que te faça bem.

Cuide da sua higiene: estamos expostos a vírus e bactérias 24 horas por dia, em todos os lugares que frequentamos. Infectologistas afirmam que hábitos como lavar as mãos antes de manusear alimentos, de levá-las a boca e aos olhos e sempre depois de dirigir ou usar o transporte público devem ser levados em conta. Ao chegar em casa, vale tomar um banho para mandar todas as impurezas embora.

Previna-se: usar preservativo protege contra uma série de DST's - doenças sexualmente transmissíveis - que não podem ser prevenidas apenas com bons hábitos alimentares ou exercícios. O vírus HIV é um dos principais inimigos da imunidade e o jeito mais fácil de contraí-lo é não usando camisinha. Por isso, previna-se sempre.

Atualize sua carteirinha de vacinação: Tomar todas as vacinas deixa você protegido de doenças graves como hepatite B, varicela, hepatite A, BCG, sarampo, rubéola e caxumba.

Durma bem: de acordo com a médica do Instituto do Sono Lia Rita Bittencourt, pessoas que não tem um sono adequado, com cerca de 6 a 7 horas por noite, pode ter seu sistema imunológico afetado. “A privação do sono diminui a quantidade e a função das células responsáveis pela imunidade”, conta a especialista. As consequências disso são maiores chances de contrair doenças infecciosas e a diminuição do efeito de vacinas. “Diabetes e câncer também podem aparecer com mais facilidade em indivíduos que dormem pouco”, completa.

msn.com

19 de junho de 2011

H1N1 - GRIPE SUÍNA

Diante da chegada do inverno e da tendência de aparecimento de novos casos de gripe H1N1, conhecida popularmente como suína, o Ministério da Saúde ampliou a recomendação do uso do antiviral oseltamivir entre pacientes com a doença.
Agora, todos que apresentem fatores de risco devem tomar o remédio a partir do aparecimento dos primeiros sinais. O secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, diz que “essas pessoas não devem esperar os sintomas se agravarem ou a confirmação laboratorial”.
Além disso, qualquer pessoa que apresente sinais de síndrome respiratória aguda deve tomar a droga independentemente de quando os primeiros sintomas apareceram.
Pela recomendação anterior, o início do tratamento somente era permitido até 48 horas contadas a partir dos primeiros sinais da infecção.
Moradores de instituições fechadas (como asilos) e portadores de doenças crônicas que não tenham sido vacinados deverão também tomar o remédio quando tiverem contato com outra pessoa infectada.
Embora descarte a possibilidade de uma epidemia de gripe H1N1, Barbosa reconhece o risco de aparecimento de pequenos grupos com pessoas infectadas pelo vírus em pontos isolados do país. Neste ano, foram registrados dez casos graves no Rio Grande do Sul.
Nesta quinta-feira (16), mais uma morte foi notificada no Estado, aumentando para quatro o número de casos fatais este ano. Além disso, outras 19 infecções foram identificadas no Acre, nenhum deles grave.
Barbosa diz que “houve casos isolados no Chile, México e Venezuela”.
– Não descartamos a possibilidade de que no Brasil haja pacientes com a infecção sem ser identificados. 
A nova recomendação, feita depois de discussão com médicos especialistas, foi apresentada para representantes de Estados e municípios.
Secretarias locais foram aconselhadas a fazer um levantamento dos estoques do remédio.

r7.com

SE ELE RONCA EU RONCO

Em pesquisas realizadas pela British Lung Foundation ficou comprovado que a cada três pessoas, uma, perde o equivalente a três semanas de sono a cada ano por causa do ronco do companheiro ou companheira. Isso quer dizer que a equivalência é de 574 horas a cada ano ou 23 dias.
Os trovões durante o sono é um pesadelo para 39% dos adultos, o que faz um a cada nove casais dormirem separados por causa de tal incomodo.
Porém, ficou constatado também que a culpa não é totalmente do sexo masculino. Ao contrário do que as mulheres costumam pensar. Elas também tem sua parcela. Pois, a pesquisa realizada com 2.500 adultos também descobriu que quase um quarto dos homens (24%) afirmam que não conseguem dormir por causa de suas companheiras.
Médicos especialistas no assunto afirmam que o ronco alto pode ser sintoma de apneia do sono, que é a suspensão da respiração durante o sono causada pelo relaxamento extremo dos músculos e tecidos da garganta, que bloqueiam as vias aéreas.
O resultado de noites mal dormidas deixam ambos cansados e com capacidade de concentração menor durante todo o dia.

r7.com

18 de junho de 2011

INQUIETUD


Cuántos pasos son necesarios
para llegar a donde estoy
Cuántas veces las sonrisas
para disfrazar mis tristezas
Cuántas veces quise gritar y sofoquei
Cuántas veces quería dejar y no podía
Cuántas veces quise  a reacción y yo estaré tranquilo
Cuántas veces quieren toma la dirección de mi vida
Punto de camino del sol
hacer cueva de la coraje
Abrazarme me tranquila ... en los brazos de la esperanza
Cierra los ojos y soñar con la felicidad.
                                          
                                                                  Rosélia Santos

17 de junho de 2011

MEUS AMORES

Elas sabem que nunca serão as únicas.
Sabem também que ando com várias.
Uma para cada dia da semana.
Sabem que tenho outras,
Sabem que todas tem um lugar no meu coração,
No meu pensamento, no meu corpo, no meu ser.
Respiram fundo quando chego ao aconchego do meu quarto
e me deparo com cada uma delas.
Não importa...
Se é preta, se é branca, marrom ou amarela.
O que importa mesmo é que estarão sempre ali
ao meu alcance e esperando ser a escolhida do dia.
E se não a escolher, ela com certeza saberá que é amada,
pois amo a todas, cada uma de uma forma diferente.
Uma mais cheirosa, outra mais macia.
Uma mais delicada, outra mais turrona.
Porém, cada uma com sua beleza única.
Uma me faz sentir nas nuvens cada minuto que passo com ela.
Outra me faz sentir cansada.
Já aquela mais bela, me deixa com a sensação de poder.
Em contra partida, a mais baixinha, me deixa sentir igual a ela: pequenininha e frágil.
Isso não tem importância, continuo apaixonada por todas.
A paixão mais recente chegou às minha mãos num momento de tristeza e melancolia.
Precisava dela para me sentir feliz.
Ela surgiu: Bela... que bela.
Cheirosa, delicadamente cheirosa,
Embriagando-me com o seu perfume extraordinário.
Peguei-a com a voracidade de uma criança.
Senti seu cheiro por um longo tempo, embriagando-me
Com seu perfume indescritível.
Aquela maciez que não dá para relatar aqui.
Era mais uma que a partir de agora passará a fazer parte dos meus dias.
Finalmente tomei um belo banho, ansiosa para tê-la comigo.
Corri até o quarto, coloquei a roupa numa pressa inexplicável.
Peguei-a devagar, olhei-a de forma detalhada e por último falei...
Hoje eu quero sair com você.
Sei que vamos nos dá muito bem, pois com ela,
sinto-me poderosa, linda e, incrivelmente cheirosa.
Ah! O nome dela é MELISSA!
Meu presente mais recente.
Aaaammmo sandálias! 
Rosélia Santos 

VOCÊ AINDA GOSTA DELE?? SUPERE A SEPARAÇÃO!



Evite reavivar lembranças do passado como assistir aos filmes do casal, ir aos mesmos restaurantes, manter suas fotos com ele acessíveis. Pelo menos por um tempo, renove os ares e fuja do que a faz recordar o ex.
 
Saia de casa, faça novos amigos, de preferência com hábitos e gostos diferentes dos seus para que você possa “desligar” do passado por um tempo. E se abrir para o novo.

O mais difícil ao romper um relacionamento é tomar a decisão. Uma vez tomada, invista na sua certeza. Procurar motivos para pensar no ex é dar um passo atrás. E, na vida, é preciso andar pra frente, certo?
 
Vocês têm amigos em comum e estes falam do ex o tempo inteiro com a maior naturalidade? Não se envergonhe: chame-os para uma conversa franca e peça para que, na sua presença, eles evitem comentários sobre a pessoa. Afinal, ainda dói e você precisa de apoio, não de relatórios. Deixe claro que, se quiser notícias, você pedirá.

Você terminou, mas ainda não está pronta para outro relacionamento. Ficar sozinha lhe apavora e, por isso, às vezes pensa em reatar o namoro. Afinal, não era de todo ruim... Não caia nessa. A tendência é olhar pra trás e enxergar só as coisas boas. Faça o seguinte: anote. Escreva com detalhes as situações e sentimentos desgostosos da relação. É bom tê-los à mão para essas recaídas ocasionais.

Evite comparações do novo amor com o velho ex. Se não conseguir, compare só os defeitos (dois defeitos do ex pra cada um do atual). As qualidades, jamais.
Se nada der certo e o fantasma do "falecido" teimar e ressussitar, viaje. Compre uma passagem para bem longe, tire férias, embarque num cruzeiro, suma do mapa. Ajuda bastante a fazer as lembranças também desaparecerem.


http://msn.bolsademulher.com
Sylvio Netto
Crédito: Dreamstime

16 de junho de 2011

PROTEÇÃO AO TRABALHO DOMÉSTICO

Representantes de governos, empregadores e trabalhadores aprovaram nesta quinta-feira (16), em Genebra, na Suíça, convenção da Organização Internacional de Trabalho (OIT) de proteção ao trabalho doméstico.
A convenção 189 pode beneficiar cerca de 53 milhões de trabalhadores do setor, presentes em todo mundo.
No Brasil, de acordo com o Ministério do Trabalho, há cerca de 7,2 milhões de pessoas no setor o que equivale a 15% dos trabalhadores domésticos do mundo.
Lideranças sindicais esperam que o país seja o primeiro a adotar a convenção sobre trabalho decente para as trabalhadoras e trabalhadores em domicílios.
Para isso, a presidente Dilma Rousseff precisa encaminhar a convenção para ratificação ao Congresso. Se aprovada, a convenção 189 vai exigir a alteração do artigo 7º da Constituição Federal, que diferencia trabalhadores domésticos dos demais trabalhadores do país.
A nova norma da estabelece que os trabalhadores domésticos têm os mesmos direitos de outros trabalhadores, ou seja, jornada de trabalho legal, descanso semanal de pelo menos 24 horas consecutivas, limite para pagamentos em dinheiro vivo, informações claras sobre termos e condições de emprego. Também fica garantido o respeito aos princípios e direitos fundamentais do trabalho, como liberdade sindical e negociação coletiva.
O texto introdutório da convenção da OIT aponta que “o trabalho doméstico continua sendo desvalorizado e ‘invisível’, feito principalmente por mulheres e meninas, muitas das quais são imigrantes ou pertencem a comunidades carentes e são particularmente vulneráveis ​​à discriminação e outras violações dos direitos humanos.”
A convenção 189 da OIT é a primeira na história das normais internacionais a estabelecer medidas destinadas a melhorar as condições de vida e de trabalho a trabalhadores domésticos presentes em todo o mundo.
A discussão de uma convenção específica sobre trabalho decente para o setor começou em março de 2008 e chegou a ser debatida pelos 183 estados-membros da OIT durante a conferência de 2010. Mas um acordo entre as três bancadas que formam a organização – empregadores, trabalhadores e governos – estendeu a discussão até o encontro mundial de 2011.

Brasil atual.

15 de junho de 2011

EE.UU

No de dónde viene
No dónde proviene
Sólo sé que permanece conmigo
tratando de convencer
Domina mis voluntad
Velocidades de mi corazón
Calentar mi alma "
Haciéndome triste
Gela mis emociones
Yo soy frígida, solo ...
Mis palabras han dejado prácticamente
Mi cuerpo ya no obedece
Ella llega, abrázame, bésame
No lo debo hacer con ella
Me siento frío ... en mis largos días
Contigo tristeza que me vuelve loco
¿Dónde estabas este tiempo?
Hasta ahora, en los pensamientos numerosos
Todos ustedes son tan sin comienzo
Apareciendo cerca del fin
Mi vida sin sentido
No hay alegría ...
Una vida sin vida
Una vida mendigando la vida
Alegría, sensaciones
La emoción

es todo lo que necesito.

                                             Rosélia Santos

13 de junho de 2011

CÂNCER DO INTESTINO

As células são pequenas unidades que compõem o tecido. Algumas tem um ciclo de vida determinado e são substituídas por outras continuamente durante a vida. Algumas vezes estas células ficam doentes e começam a se multiplicar de maneira desordenada. Quando as células além do aumento anormal em número, perdem sua identidade e função temos o chamado tumor maligno. Ou seja, o câncer. Dentre inúmeros tipos de câncer vamos saber um pouco mais sobre o câncer de intestino.
O câncer do intestino, encontra-se entre os dez primeiros tipos de câncer mais incidentes no Brasil, tanto nos homens como nas mulheres.
Ao observar a história natural do câncer do intestino, verifica-se que esta propicia a condições ideais à sua prevenção e detecção precoce, pois, na maioria das vezes evoluem a partir de lesões benignas, os pólipos adenomatosos, e após um período de 10 a 15 anos.
A incidência e mortalidade por esse tipo de câncer têm apresentado, no mundo todo, uma tendência ao crescimento, em especial em países desenvolvidos e áreas urbanas de países menos desenvolvidos. No Brasil, esse tipo de neoplasias vêm ganhando cada vez mais importância no perfil de morbidade e mortalidade
O nosso intestino grosso é a sede mais freqüente de neoplasias primárias no corpo. Estas podem ter caráter benigno, os adenomas, ou maligno, os carcinomas. Os adenocarcinomas representam a quase totalidade dos cânceres colorretais.
Os fatores envolvidos são múltiplos no seu aparecimento, entre eles os fatores genéticos (hereditários).
Acredita-se que agentes cancerígenos físicos, químicos e biológicos, principalmente ambientais e dietéticos, provoquem mutações genéticas específicas no ácido desoxirribonucléico (ADN) nuclear das células do epitélio intestinal, produzindo mutações e outras alterações do material genético.
As alterações celulares que são resultadas da exposição da mucosa intestinal aos agentes cancerígenos, se manifestam no início por lesões inflamatórias.
Portanto, sendo esta agressão intensa e prolongada, com certeza, levará ao desenvolvimento de displasias.
Estas podem evoluir desde um grau leve até intenso e, finalmente, para o carcinoma in situ. Isto é, lesões em que células displásicas ocupam a espessura do epitélio sem romper a membrana basal.
A grande maioria, dos cânceres do intestino grosso, provêm de displasia epitelial acentuada, acrescida de alterações na diferenciação, crescimento e proliferação celular, que determinam a formação do adenoma (pólipo adenomatoso) e, em seguida o adenocarcinoma.
O adenoma ou pólipo adenomatoso tem papel fundamental no desenvolvimento do câncer, sendo reconhecida como sua única lesão precursora. O pólipo é um crescimento anormal dentro do intestino que se projeta em sua luz (interior do intestino). Os pólipos que continuam acumulando novas células e crescendo recebem o nome de neoplásicos. Quando de origem epitelial, são chamados de adenomas. No inicio são muito pequenos apenas alguns milímetros, podendo crescer e atingir vários centímetros. São classificados como polipóides, planos, pediculados ou sésseis. Os fatores implicados no seu aparecimento e crescimento são os mesmos que os do câncer. A maioria vão crescendo de forma lenta, e se mantendo benignos por períodos longos, antes de se transformarem em câncer.
Especialistas revelam que levam mais de dez anos. Contudo, quando um pólipo é ressecado isto significa que um câncer em potencial.
São considerados fatores de risco:
Idade superior a 60 anos;
Parentes de primeiro grau com câncer do intestino;
Síndromes genéticas;
Doença inflamatória crônica do intestino como colite ulcerativa ou doença de Crohn;
Consumo excessivo de bebidas alcoólicas e gordura animal;
Tabagismo;
Obesidade.
Estima-se que, em até 75% dos casos, o câncer de intestino possa ser classificado como esporádico, isto é, de caráter não familiar e resultante da ação cumulativa de agentes carcinógenos mais ou menos conhecidos sobre a mucosa intestinal.
Entre os fatores relacionados, encontram-se, principalmente, a idade sendo diagnosticado após 60 anos e dietas pobres em frutas, verduras e legumes e, principalmente dietas ricas em gordura animal. Inclusive, esse fator pode ser responsável por 66 a 75% dos casos de câncer de cólon e reto.
Alimentos como carnes vermelhas pode aumentar o risco de desenvolvimento do câncer de intestino. Vários mecanismos têm sido propostos para explicar essa associação, como a presença de ácidos graxos específicos contidos nesses alimentos e a de substâncias formadas durante o preparo das carnes em altas temperaturas, como as aminas e os hidrocarbonetos aromáticos. Outros estudos, por sua vez, têm proposto que altas concentrações de ferro na carne vermelha, poderiam ser a causa do maior risco para o desenvolvimento deste câncer, uma vez que este mineral está envolvido na síntese de radicais hidroxila, que podem causar danos às células do intestino.
A dieta a base e legumes, verduras, frutas, carotenóides e fibras aliados a uma boa atividade física é muito bem recomendado pelos médicos. Eles afirmam que esse tipo de prática, funciona como proteção no desenvolvimento do câncer de intestino. Esse efeito pode ser justificado pelo alto teor de nutrientes e outras substâncias que podem inibir a formação de carcinógenos, agir como substratos para a produção de anticarcinógenos, reduzir a capacidade de proliferação de células e agir como antioxidantes.
O alto consumo desses alimentos pode ainda aumentar o bolo fecal e diminuir o tempo de trânsito intestinal e assim, minimizar o contato entre a mucosa e substâncias potencialmente carcinogênicas.
A falta de atividade física também é um fator bastante citado por especialistas como associado ao risco de desenvolvimento do câncer do intestino. Sua prática regular pode diminuir o risco de doença em até 50%.
Algumas hipóteses sustentam ainda que, a atividade física poderia alterar os níveis de prostaglandinas, melhorar o sistema imunológico e modificar o metabolismo dos ácidos biliares.
O consumo de alimentos e multivitamínicos que contêm folato, pode contribuir para reduzir o risco de câncer de intestino, uma vez que a sua deficiência pode levar a anormalidades na síntese ou reparo do DNA.
Estudos mostram que, o risco no desenvolvimento do câncer do intestino, pode ser duas vezes maior em indivíduos que consomem bebidas alcoólicas em excesso. A exposição ao fumo também pode aumentar o risco de desenvolver a doença, principalmente em caso de consumo por longos períodos de tempo.
A obesidade também parece aumentar o risco de desenvolvimento de pólipos adenomatosos e a progressão dos mesmos para malignidade. O acúmulo de grande quantidade de gordura abdominal parece estar associado mais fortemente a esse risco.
Finalmente, é importante reconhecer que medidas dietéticas e comportamentais podem ter influência direta na diminuição do risco para o desenvolvimento do câncer colorretal. A adoção de hábitos saudáveis de vida, evitando o cigarro e o álcool, pode causar grande impacto na redução da incidência desta doença com benefícios pessoais, sociais e econômicos.
As evidências para o câncer de intestino são apontadas com o rastreamento feito através da pesquisa de sangue oculto nas fezes a partir dos 50 anos de idade.
Essa pesquisa de sangue oculto nas fezes, pode ser realizada por vários métodos. Sendo o método de colheita das fezes em papel impregnado com guáiaco um dos mais utilizados e testado em diferentes ensaios clínicos. O paciente recebe o envelope e as instruções para a colheita de fezes.
Não é aconselhável o consumo de carnes por três dias antes do início da colheita de fezes. O resultado é positivo quando há aparecimento de coloração azul no papel de filtro impregnado com resina de guáiaco contendo a amostra de fezes, após colocação do reagente. A mudança de cor é resultante da oxidação do guáiaco.
A pesquisa de sangue oculto nas fezes é confiável para a detecção de sangramento e não para diagnóstico de câncer de imediato. Servirá apenas para uma maior investigação do caso. Isto é, a pesquisa trata-se de um exame preliminar. Por isso, é importante a associação do toque retal e da retossigmoidoscopia.
Temos também a Colonoscopia, que é um exame reservado a pacientes com pesquisa de sangue oculto nas fezes positiva e a origem do sangramento não foi detectada pelo toque retal ou retossigmoidoscopia e para a população de risco moderado ou alto de desenvolvimento para a doença.
A colonoscopia permite examinar todo o cólon em mais de 90% dos pacientes, além de possibilitar a realização do diagnóstico e do tratamento em uma única sessão.
O câncer do intestino pode evoluir de forma significativa sem o surgimento de sintomas, ou com sintomas pouco específicos ou perceptíveis aos doentes ou profissionais de saúde.
A falta de orientação da população para importância do exame proctológico, as deficiências dos sistemas de saúde e o excesso de pudor, ou até preconceito, dos pacientes com relação aos exames utilizados na investigação de doenças do intestino grosso, dificulta e muito, o diagnóstico, que é o passo essencial para buscar a cura.
As etapas fundamentais do diagnóstico são:
Anamnese, que é a história clínica do paciente, que irá fazer com que o especialista fique sabendo de detalhes importantes como hábitos alimentares, sedentarismo, alterações do hábito intestinal, fraqueza, diarréia, constipação, sangramento vivo, perda de muco, e outros que são decorrentes de câncer.
Hemorróides, fissura anal ou retites inflamatórias, também fazem parte da anamnese. O interrogatório sobre antecedentes pessoais e familiares, para saber se há referências ou não de câncer, pólipos ou doenças inflamatórias intestinais.
Após essa minuciosa anamnese, segue com o exame físico geral e coloproctológico.
O exame proctológico inclui basicamente a inspeção do ânus e região anorretoperineal, toque retal e a retossigmoidoscopia, com realização de biópsia, se necessário.
Apesar do desconforto, o toque retal é um exame de extrema importância, pois permite detectar 50% dos tumores situados no reto e canal anal.
Já a retossigmoidoscopia, é um exame simples e indolor que pode ser realizado em ambulatório. Com este exame, é permitido a visão da mucosa do reto, observando dessa forma, a coloração, presença de edema, de lesões, e também a colheita de qualquer tipo de secreções e lesões suspeitas.
A colonoscopia, é o exame com maior sensibilidade e especificidade para detecção de lesões inflamatórias, neoplásicas e outras.
Sua indicação é para complementar achados radiológicos duvidosos e permitir realização de biópsias em lesões que a retossigmoidoscopia não alcançou. Esse exame dura em média 15 a 30 minutos e pode ser feito em ambulatório.
A biópsia, é a retirada de um pequeno fragmento do tecido que se deseja determinar a natureza, com posterior análise minuciosa por patologista.
O procedimento é muito desconfortável é verdade. Porém, devemos pensar na cura do problema em primeiro lugar. O desconforto passa e é muito pequeno diante de tal possibilidade.
A colonoscopia virtual é um método de utilização mais recente, que tem a vantagem de ser mais rápido e não requerer sedação, mas seus resultados ainda não foram suficientemente comprovados.
A ultrassonografia, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética são exames cuja utilidade se volta mais para estudo do estágio da doença, ou seja, do seu grau de evolução.
O câncer do intestino é uma doença tratável e freqüentemente curável, sendo a cirurgia o seu tratamento primário.
O tratamento depende, principalmente, do tamanho, localização e extensão do tumor e da saúde geral do paciente. Geralmente, o tratamento exige uma equipe formada por especialistas, um gastroenterologista, um cirurgião, um oncologista clínico e um oncologista radioterapeuta.
Vários tipos de tratamentos são utilizados, sendo que algumas vezes, há a combinação de uma ou mais formas.
Quanto a cirurgia, consiste na retirada do tumor juntamente com parte do cólon ou reto e os linfonodos adjacentes. Os melhores resultados e a possibilidade de cura estão relacionados a radicalidade, removendo linfonodos, ligaduras vasculares, margens cirúrgicas, e órgãos ou estruturas vizinhas à lesão aderidas ao tumor.
Em tumores da porção baixa do reto muitas vezes é necessária a realização de uma colostomia seja ela temporária ou permanente.
A Colostomia, é um procedimento cirúrgico de exteriorização do cólon na parede abdominal fornecendo um novo trajeto para a saída do material fecal. Isto é, um ânus artificial. Após uma colostomia, o paciente utiliza uma bolsa especial para a coleta do material fecal. Alguns pacientes necessitam de uma colostomia temporária para permitir a cicatrização após a realização da cirurgia.
Um tratamento cirúrgico é considerado curativo quando promove a remoção completa do tumor primário, órgãos e estruturas localmente comprometidas e de metástases identificadas.
É considerado tratamento paliativo quando tem por finalidade o alivio ou redução de sintomas em pacientes que não tenham condições de cura em conseqüência de invasão de estruturas vitais pelo tumor.
Quimioterapia (QT) é o uso de drogas anticâncer para destruir as células tumorais. A quimioterapia pode ser administrada para destruir qualquer célula cancerosa que possa ter permanecido no organismo após a cirurgia, para controlar o crescimento tumoral ou para aliviar os sintomas da doença. A quimioterapia é uma terapia sistêmica, o que significa que as drogas entram na circulação sangüínea e percorrem todo o organismo. É administrada por injeção direta na veia ou através de um cateter. Recentemente, algumas drogas anticâncer têm sido administradas oralmente sob forma de comprimidos.
Terapia por radiação ou radioterapia (RT), envolve o uso de raios-X de alta energia para destruir as células cancerosas. A radioterapia tem ação local, atingindo as células cancerosas localizadas apenas nas regiões que estão sendo tratadas.
Polipose Adenomatosa Familiar é responsável por 1% dos casos de câncer do intestino e caracterizada pela presença de mais de 100 pólipos adenomatosos no intestino grosso, e é uma doença hereditária. É transmitida sem preferência por sexo, e cada filho de um casal com um dos pais com a doença tem 50% de possibilidade de ter a doença.
Os pólipos podem aparecer na puberdade e causar sintomas entre a terceira e quarta décadas de vida. A transformação maligna ocorre em média a partir dos 35 anos de idade.
As manifestações clínicas associadas à doença são: pólipos no trato gastrointestinal, lesões pigmentadas de retina, cistos sebáceos, e outros.
As doenças inflamatórias intestinais são responsáveis por aproximadamente 1% de todas as causas de câncer do intestino, mas dada a sua conhecida predisposição, representam motivo de preocupação para os acometidos pela doença inflamatória e para seus médicos.
Portanto, podemos dizer que, a prevenção de câncer de intestino pede exames e boa alimentação. O suporte emocional é extremamente importante para promover melhor qualidade de vida dos doentes.
 Não esqueçam que a doença, começa sempre como uma lesão benigna, que vai evoluindo lentamente até transformar-se num tumor maligno.
Principalmente nas mulheres, que tem o intestino preguiçoso e se alimentação irregular. Também aquelas que não costumam beber bastante água. Além disso, não usam qualquer banheiro e muitas vezes, têm vontade de ir ao banheiro e deixam para depois. Dessa forma, acabam perdendo o mecanismo reflexo de ir ao banheiro. O intestino acaba se acostumando.
Conclui-se assim, que, uma boa alimentação, exercícios físicos e exames periódicos é a melhor forma de prevenir a doença.
E não esqueçam, esse artigo é só uma forma de informar um pouco sobre o assunto. Tire todas as suas dúvidas com um bom especialista. Espero ter ajudado e que este tenha servido de alerta para todos aqueles que passam por meu espaço e tiram proveito dele. Até a próxima.

BUSQUE MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ASSUNTO. LEIA MAIS!

Material utilizado: Falando sobre câncer do intestino. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer.

A partir de segunda feira começarei a fazer Resenhas dos produtos que serão postos a venda para vocês!! Aguardem.